Marcelos para todos

“Marcelo Rebelo de Sousa é um homem muito inteligente. E divertido. Tem sempre histórias e coscuvilhices para contar (mentira ou verdade, que importa), observações contundentes e avaliações certeiras para fazer, tudo embrulhado naquela expressividade conspirativa que relampeja malícia. Sim, é difícil não gostar de Marcelo – pelo menos de um deles.

E tantos há à escolha. Do homem que em 2010 foi a uma manifestação contra o casamento das pessoas do mesmo sexo fazer companhia a Isilda Pegado e PNR reclamando um referendo ao que nesta semana, no debate com Marisa Matias, asseverou que sendo presidente promulgaria o diploma da adoção por casais do mesmo sexo porque o importante, explicou, é assegurar o bem-estar das crianças, sejam os pais adotivos dois, um, de sexo diferente ou igual, devendo a decisão ser técnica.

Do homem que em 1998 defendeu – e conseguiu que fosse para a frente – um referendo para decidir se o aborto por vontade da mulher deveria continuar a ser crime, fez campanha pela manutenção desse crime e se congratulou com a vitória, ao homem que no referendo de 2007 veio dizer que nunca quis ver mulheres na prisão e que não concordava com os termos da pergunta (os mesmos da de 1998, que aprovou).

OK: evolui bués, Marcelo. E logo nas matérias normalmente caracterizadas (inclusive por ele) como “de consciência”. Já nas outras como será? Vejamos por exemplo o caso do pedido de fiscalização de constitucionalidade dos cortes dos subsídios de férias e de Natal de pensionistas e funcionários públicos inscritos no OE 2012, a medida mais simbólica da era austeritária PSD-CDS. No citado debate com Marisa, negou ter criticado o pedido; mas em janeiro de 2012, na TVI, tinha sido claríssimo na sua censura aos deputados do PS que o assinaram e na certificação de que o TC jamais decretaria a inconstitucionalidade de um OE: “Não lembra ao careca”, disse.

É verdade que quase se ia safando de ser confrontado com a contradição (anda tudo, media e campanhas adversárias, muito preguiçoso), mas das duas uma: ou no seu afã de fazer a corte à esquerda (e portanto de dar razão a quem lhe chamou cata-vento) mentiu deliberadamente ou não se recorda do que pensava e defendia há três anos. Lelé da cuca ou mentiroso: que bela opção. Vale que, se se confirmar a caminhada triunfal prenunciada nas primeiras sondagens, só o sofreremos um mandato. Foi ele que o jurou em 26 de janeiro de 2014 na TVI: “Deixo essa sugestão para os futuros candidatos presidenciais, que proponham aos partidos, porque têm de ser eles a rever a Constituição, que reduzam no futuro o mandato apenas a um, e não dois, mais longo, de seis anos ou sete anos, e, no caso de isso não acontecer, que assumam o compromisso de serem só por um mandato. Porque mais do que cinco anos, está provado, a meu ver, é mau.” Olha que bom. A não ser que – oh, bolas, é o Marcelo.”

Fernanda Câncio

Anúncios
Explore posts in the same categories: Política

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: